Quando Estou Longe de Você

Você já sentiu seu coração ser levado para longe?

Estou aqui parado ouvindo o som do mar
Estou sentindo as lambidas da leve brisa
Tudo que eu queria era poder te alcançar
Essa sua presença viva que me anima

Talvez eu chamasse este lugar de meu lar
Talvez eu achasse a minha vista linda
Mas se você é a beleza maior que há
Então, pensar somente em ti é a minha sina

Então hei de lamentar sua ausência
Hei de chorar por não estares aqui
Sentir a dor pela volta tão lenta

O relógio mais duro que eu já vi
E nem ao menos mover-se ele tenta
Prefere-me torturando-me assim
Sem ti

————————————————————-

Quanto maior a dor da separação, maior a alegria do reencontro

Anúncios
Quando Estou Longe de Você

Olhos Rubros

Olhos Rubros

O céu se abre vinho tinto
O vento vermelho sopra
Meus olhos rubros, não minto
São a solidão da ópera

O escarlate que escorre em seus seios
Se mistura com a lama do quintal
E agora, meu amor, eu já receio
Que este golpe com punhal, sim, foi fatal

————————————————————-

Que vermelho é esse?

Olhos Rubros

Imposição – Hirasawa Riku

 

Entre quatro paredes...

 

Nos passos descompassados de um coração
Na batida contida da brisa do céu
Intuito fortuito, sim, eles tentarão
Com a graça sem graça de corromper o véu

Os alvejados passos marcados irão
Seguindo sem riso os compassos desse réu
Ao destino longíquo dar-lhe-á suas mãos
E ao paladar amargar o mais doce mel

Na vontade sem vontade brilhando em cor
No vazio falta brio pra buscar nova luz
As barreiras em cadeia disfarçam a dor

Feridas contraídas enchem-se de pus
Nostalgia em epidemia desabrocha em flor
Aqui jaz a paz soterrada sob uma cruz

————————————————————————————————————————————————–

Um ato imposto dói. Uma vida imposta é uma tortura.

Imposição – Hirasawa Riku

Fênix – Hirasawa Riku

Renascer das dores como a Fênix renasce das cinzas
Renascer das dores como a Fênix renasce das cinzas

Vejo-me sozinho
Só, beijando o vão
Olhando este moinho
Eles voltarão

Eu sem esperança
Estou sem ter ação
Minha vista se cansa
Eles voltarão

Eu me contradigo
Dizendo-me “não”
Tenho um forte abrigo
Eles voltarão

Se esvaíram depressa
Assim haviam chegado
Não há algo que me impeça
De regar esse arado

Sei que eles vão voltar
Talvez nem tenham saído
Se necessito de ar
Eu que não busque o atrito

Esses meus doces sonhos
Que sonhei por você
Em ordem certa eu ponho
Tão leve degradê

Sinto muito por tudo
Ó, mi doce consciência
Pois há tempos que fujo
Não te peço que cresça

Vou me recuperando
De um duro e caro golpe
Um golpe tom soprano
Um golpe já sem morte

A Fênix é o modelo
Tu, coração, palpitas
E hoje eu quero vê-lo
A renascer das cinzas

————————————————————————————————————————————-

O fim nada mais é do que um novo recomeço.

Aproveito esse post para convidá-los a visitar o meu novo blog: Lágrimas da Phoenix. Nome conveniente, não? Hehe. Eu juro que não foi programado combinar o nome do blog com a poesia de hoje, mas já que aconteceu, vamos sorrir e finigir que foi um bom trocadilho XD~

Fênix – Hirasawa Riku

Smartness – Hirasawa Riku

I have been living blind
Just covering my mind
From influence of any kind
I have been holding tight
Preventing myself from the fight
But I still can’t feel the delight
I’ve been waiting for water to leak
In order to get everything I seek
I’ve been lost in a high cold peak
I’ve been pacing away from the darkness
I’ve been using nails to heal my blindness
That was what I called smartness
Você vai esperar o rio parar para atravessá-lo?
Você vai esperar o rio parar para atravessá-lo?

I have been living blind
Just covering my mind
From influence of any kind

I have been holding tight
Preventing myself from the fight
But I still can’t feel the delight

I’ve been waiting for water to leak
In order to get everything I seek
I’ve been lost in a high cold peak

I’ve been pacing away from the darkness
I’ve been using nails to heal my blindness
That was what I called smartness

————————————————————————————————————————————————-

Eu estive vivendo cego
Apenas cobrindo a minha mente
Das influências de qualquer tipo

Eu estive segurando firme
Mantendo-me ausente da luta
Mas eu ainda não consigo sentir o deleite

Eu estive esperando a água escorrer
Para conseguir tudo que eu desejo
Eu estive perdido em um pico alto e gelado

Eu estive correndo da escuridão
Eu estive usando pregos para curar minha cegueira
Era isso que eu chamava de esperteza
————————————————————————————————————————————————

Fugir dos problemas é um meio de conhecer novas dificuldades.
Smartness – Hirasawa Riku

Paradoxo de um Diálogo – Hirasawa Riku

Mamãe, mamãe
Por que tu sempre me ignoras?
Eu fico gritando em vão
Tu me enxergas mas não me olhas

Mamãe, mamãe
Todo o tempo estive aqui
Só te peça que não finja
Que já desapareci

Mamãe, te digo
Nunca, ninguém maltratei
Se não quiseres, não vingo
Eu não te destronarei

Mamãe, me explica
Qual foi meu tão horrendo crime?
E por que já me criticas
Se você ainda não viu esse filme?

Mamãe, me escute
Pois continuo a gritar
Essas pessoas que te iludem
Não compreendem o que é de cá

Mamãe, mamãe
Eu te digo que morri
Mas nunca derramei sangue
A minha vida perdi
Sendo que eu nunca nasci

———————————————————

A maior covardia do mundo…

 

Poesia indicada para o Festimar 2008!

http://br.youtube.com/watch?v=AUsbXK5hats

Vídeo vencedor do Festimar 2008!

Paradoxo de um Diálogo – Hirasawa Riku

Cansaço – Hirasawa Riku

Meu corpo não responde
Ouvidos não escutam
Meus olhos já não vêem
Contemplo esse horizonte

Confesso estar perdido
Em meio à maré alta
Mas o meu peito exalta
Mesmo batendo aflito

Lágrimas não morrem
Mas secam-se no ar
E podendo voar
Elas jamais escorrem

A paz que eu tanto quero
Encontro em um só sorriso
Sorriso pelo qual vivo
Por quem juro amor eterno

—————————————————————————-

É… Quando estou cansado eu me transformo negativamente, fico mais depressivo, sensível, me incomodo com pouca coisa, reparo em detalhes irrelevantes que deveriam ser irrelevados… Não é fácil lidar com esse tipo de situação… No entanto, tudo fica mais fácil quando há uma pessoa querida que dá apoio, uma pessoa verdadeiramente companheira… Eu tenho muito a agradecer.

Cansaço – Hirasawa Riku