Quando Estou Longe de Você

Você já sentiu seu coração ser levado para longe?

Estou aqui parado ouvindo o som do mar
Estou sentindo as lambidas da leve brisa
Tudo que eu queria era poder te alcançar
Essa sua presença viva que me anima

Talvez eu chamasse este lugar de meu lar
Talvez eu achasse a minha vista linda
Mas se você é a beleza maior que há
Então, pensar somente em ti é a minha sina

Então hei de lamentar sua ausência
Hei de chorar por não estares aqui
Sentir a dor pela volta tão lenta

O relógio mais duro que eu já vi
E nem ao menos mover-se ele tenta
Prefere-me torturando-me assim
Sem ti

————————————————————-

Quanto maior a dor da separação, maior a alegria do reencontro

Anúncios
Quando Estou Longe de Você

Adejar – Hirasawa Yuuki

 

O amor liberta

 

Perdoe-me caro e excelentíssimo ser que inventou o amor:
Perdão por todas as vezes que eu contestei sua criação,
Perdão por todas as coisas que disse em vão,
Perdão por deixar-me levar pelo rancor e pela dor.

Agora percebo o que fiz.
Deixei meu coração falar mais alto que a razão
E ele por sua vez me fez refém em sua prisão.
Fez de mim o que bem quis.

Mas agora que sou um ser racional novamente
E o meu coração está calado
Concertei boa parte do que fiz de errado.

Não peço que me entenda, nem ao menos tente,
Pois só quem já amou e foi amado
Sabe que a vida não retorna ao passado
E que a dor é permanente independente do tempo presente.

Só peço que da próxima vez que sua criação me visitar
Ela me dê a honra de um abraço, um beijo e um aperto de mão
Que ela não entre batendo em mim nem me jogue no chão
Pois não sei o quanto ainda consigo agüentar
Nem o quanto sou capaz de amar.

————————————————————————————————————————————————-

Ela me visitou.

Adejar – Hirasawa Yuuki

Inevitável Rima – Hirasawa Riku

Para todo o sempre, não é?

Eu fico aqui ouvindo música
Em frente ao computador
Só querendo ouvir seu alô
Ver-te ornada em leve túnica

Exponho-te meus pensamentos
Minha alma e meu coração
E preparo a ti uma canção
Então, em seu amor eu me assento

E com a cruz, e olhos pro céu
A Ele eu sempre agradeço
Pelo mais belo cortejo
Pelo tão almejado véu

Magnífica és a pureza
Inevitável é a rima
Tu bem sabes que é a tua sina
Tu és minha amada Tereza

————————————————————————————————————————————————-

Para sempre.

Inevitável Rima – Hirasawa Riku

Por quê? – Hirasawa Riku

... por quê?

Por que eu fico olhando torto pras nuvens?
Por que que eu fico esmerando o fracasso?
Por que que penso que fiz o que pude?
Por que que eu não faço mais do que faço?

Por que não vivo sem qualquer pelugem?
Por que que eu vivo em busca de um tratado?
Por que eu não percebo as coisas que surgem?
Por que eu não consigo sair derrotado?

Por que não há respostas pra minha questão?
Por que não há motivos para chorar?
Por que que os que ficam não são os que vão?

Por que não viver de pernas pro ar?
Por que não correr se acho que é são?
Só sei: sem você não sei respirar

————————————————————————————————————————————————

Não sei… Ou sei? Será? Talvez… Possivelmente!

Por quê? – Hirasawa Riku

Não – Hirasawa Riku

Dê-me a sua mão

Não sei como estou me sentindo
Confesso, não sei, eu não sei
Não quero gerar mais atrito
Nem quero tomar chá das seis

Confuso em meio ao nevoeiro
Brincando na escuridão
No palco em que eu sapateio
Eu sei que só são o que são

Uma mão pega a mão pela mão
De antemão para a frente vão
E vão dispensar o jargão
Não querem viver solidão

————————————————————————————————————————————————–

Não quero ser óbvio, mas não querem todos não serem óbvios também? Não ser óbvio significa não não ser óbvio? Quando seguras a minha mão eu saio da escuridão… E vou para a frente.

Não – Hirasawa Riku

Soneto da Saudade – Hirasawa Riku

Distância...

Como um punhal que perfura o meu peito
Sinto arder profundo o meu coração
Sinto um pesar constante no meu seio
Algo que outros jamais entenderão

A isso eu não consigo ficar alheio
Porém eu acabo por ficar sem ação
E é um fogo bastante forte que ateio
Para forçar-te a me estender a mão

E ao encontrar-te novamente em meu olhar
Toda a dor some e eu me sinto mais leve
Como o pássaro voando em pleno ar

Como um gigante no chão que se ergue
Meu coração torna a bradar, pulsar
Mandar calor pra derreter a neve

————————————————————————————————————————————

Saudades… É um dos sentimentos mais presentes quando se há alguém querido. É independente de tempo, mas não se desvencilha da distância. É boa e ruim ao mesmo tempo e também traz a sensação de confirmação, afinal, ninguém sente falta de algo desimportante.

Sentir saudades é como dar um pedacinho do seu coração para uma pessoa e permitir que ela o carregue sempre. Assim, só se está completo na presença da presenteada… Isso se reflete no reencontro, tão feliz, tão vivo.

Sentir saudades é um pedacinho do amor que se sente por uma pessoa. É algo gostoso e que sem ele, os relacionamentos não seriam a mesma coisa. Saudades são saudades e se não existissem, acabariam deixando saudades…

Soneto da Saudade – Hirasawa Riku

Candeeiro – Hirasawa Riku

Não se acende uma luz para deixá-la embaixo do alpendre...

Queria eu viver aqui nessa estadia
Queria eu saber viver sem nostalgia
Queria eu ser como a vela que acendia
Queria eu em minha vida ser só luz

Queria eu viver no tempo que me resta
Queria eu viver em paz, viver em festa
Queria eu viver a vida, vida esta
A qual o Cordeiro todo santo nos conduz

Queria eu viver amando os meus irmãos
Queria eu dar vida à cada coração
Queria eu dar paz aos que me encontrarão
Queria eu poder dizer sou totus tuus

Queria eu nesse meu ser tão imperfeito
Cantar canções mostrando em mim esse Seu jeito
Sorrir sorrisos de criança de direito
E aprendendo a conviver co’a minha cruz

Queria eu andar por vales e montanhas
Queria eu saber falar de Suas façanhas
Tornando santas as palavras tão humanas
Queria eu poder mostrar quem é Jesus

Nesse caminho espinhoso como rosas
A direção eu já bem sei que Tu me mostras
O candeeiro no alpendre Tu colocas
Para que eu seja em minha vida apenas luz

——————————————————————————————————————-

O natal é o momento do ano em que lembramos que o Cristo veio ao mundo como homem da forma mais simples possível. Aquele que tinha poder para ser o que quisesse escolheu abrir os olhos pela primeira vez dentro de um estábulo, junto aos animais, em uma manjedoura improvisada feita com a palha encontrada no local.

O amor de Deus por seus filhos é tão grande que, naquele dia, ele enviava seu próprio filho gerado, e não criado, para a glorificação d’Ele e abrir as portas do paraíso. “E o verbo se fez carne e habitou entre nós” Jo 1, 14.

É muito importante lembrarmos sempre que é nesse clima de amor ao próximo que se realiza essa data tão importante, afinal, estamos comemorando nada menos que o aniversário do nosso Salvador! O amor de Deus por nós deve transbordar para que possamos transmitir um pouco dele para as pessoas próximas de nós!

Um feliz natal a todos! =]

Candeeiro – Hirasawa Riku